O espaço da pesquisa acadêmica no Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental

O espaço da pesquisa acadêmica no Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental

O III Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo Ambiental faz o evento voltar às origens, dando oportunidade a todos os participantes do VI Congresso Brasileiro de Jornalismo dar uma espiada na apresentação dos trabalhos, participarem das discussões e contribuírem com o olhar de quem está na prática diária do jornalismo. Esses momentos são muito ricos e deles podem surgir inspiração, ideias e sugestões para novas pesquisas.

Investigação realizada pelo Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental CNPq/UFRGS localizou no Banco de Teses do Portal de Periódicos da CAPES/MEC, entre os de 1987 a 2010, 101 trabalhos. Desses, oito eram teses, 90 dissertações de mestrado e três de mestrado profissionalizante. Outro dado relevante é que as pesquisas se concentram nas regiões sul, com 20 trabalhos e sudeste com 51. Isso mostra que as pesquisas precisam ser incrementadas nas demais regiões do país. O cenário poderá melhorar com a criação das disciplinas de jornalismo ambiental nos cursos de jornalismo atendendo às Novas Diretrizes Curriculares  que mencionam a necessidade da formação de profissionais que compreendam o seu papel na busca da justiça social, bem como na construção da  cidadania  e de uma sociedade sustentável.

Esta é apenas uma degustação do artigo escrito por Ilza Maria Tourinho Girardi. O texto completo será publicado na revista Jornalismo Ambiental que será distribuída durante o VI CBJA.